Android 13 vs iOS 16: quais as diferenças e semelhanças?

Sabe o que muda e o que é praticamente igual entre os dois sistemas operativos mais recentes da Google e da Apple.
Escrito por Wagner Pedro e
5 mins de leitura
Android 13 vs iOS 16: quais as diferenças e semelhanças?
Publicidade
Publicidade

Apesar da Google ter inserido algumas novidades, como idiomas por aplicação e melhor proteção de privacidade, o Android 13 apenas melhorou os recursos presentes na versão anterior, com pequenos refinamentos no design.

Por outro lado, o iOS 16 abriga diversas mudanças, como um novo ecrã de bloqueio personalizável, funcionalidades de inteligência avançada e novas formas de comunicar e partilhar conteúdos com os contactos.

Neste artigo, vamos mostrar-te as principais diferenças e semelhanças entre os dois sistemas operativos mais cobiçados do momento.

Ecrã de bloqueio

O Android 13 aprimorou o design Material You que, baseado no papel de parede atual do sistema, aplica uma paleta de cores adequada nas aplicações suportadas. No entanto, a Google não trouxe grandes novidades para o ecrã de bloqueio.

O iOS 16, por outro lado, entrega um novo ecrã de bloqueio com widgets, algo que o Android também oferecia, mas foi removido desde a versão Lollipop em 2014. Para oferecer uma boa experiência, esses atalhos foram desenvolvidos de uma forma inteligente, garantindo que várias informações estejam disponíveis num espaço relativamente pequeno.

Além disso, a gigante de Cupertino também possibilita ocultar parte do relógio no papel de parede, proporcionando uma experiência tridimensional, e oferece uma opção para selecionar uma fonte estilizada.

Ainda assim, o design Material You do Android 13 tem as suas vantagens, especialmente para quem não gosta de fazer muitas personalizações no ecrã de bloqueio. Afinal, com esse mecanismo, basta aplicar um determinado papel de parede para que o sistema modifique as cores automaticamente.

Idiomas por aplicação

O Android 13 é a primeira versão do sistema móvel da Google com suporte oficial para idiomas por aplicação. Graças a essa nova função, é possível usar qualquer aplicação no idioma da tua preferência, independentemente do usado pelo sistema.

No entanto, para ter esse recurso, os desenvolvedores precisam inseri-lo manualmente nas suas aplicações com algumas linhas de código, mesmo que ele já ofereça suporte a vários idiomas.

No iOS 16, isso não é nenhuma novidade, pois a Apple oferece suporte a múltiplos idiomas desde o iOS 13, lançado em 2019. Na verdade, a empresa apenas facilitou essa troca. Ao contrário do Android, em apps que já disponibilizam outra língua, o desenvolvedor não precisa adicionar nenhum código extra.

Teclado, ditado e área de transferência

O Android 12 foi o responsável por trazer melhorias importantes no teclado Gboard. No Android 13, a Google apenas realizou alguns aprimoramentos, como no recurso de ditado, que transforma áudio em texto.

Durante muito tempo, o teclado da Apple não era tão eficaz nesse tipo de conversão, algo que mudou no iOS 16. Em ambas as plataformas, o recurso agora é bastante semelhante: a pontuação é adicionada automaticamente; é possível alternar facilmente entre voz e texto para fazer correções ou, caso queiras, até inserir emojis.

Apesar dos avanços, o teclado do iPhone ainda não oferece o mesmo desempenho do Android. Afinal, no sistema mais recente da Google, os utilizadores podem usar o ditado para enviar, limpar e desfazer mensagens através de comandos de voz. Também é possível manter o microfone ativo indefinidamente para continuares a falar sem nem precisar tocar no telefone.

Na área de transferência, o teclado da Google também leva vantagem. No Android 13, ele passa a oferecer um editor de área de transferência. Assim, quando copiares um texto ou imagem, um pequeno pop-up aparecerá com uma opção para editares o conteúdo ou partilhá-lo em outras aplicações. Isto é bastante útil quando for preciso enviares apenas partes específicas de mensagens ou fotos.

Reprodutor de música

O reprodutor de música sofreu grandes mudanças nas duas plataformas, Android 13 e iOS 16.

No Android 13, ele é mais bonito visualmente quando comparado ao antecessor. Em vez de exibir as cores do papel de parede, o player mostra a capa do álbum da música. Além disso, o botão play/pause e outros elementos também trazem as mesmas cores da capa do álbum, enquanto a barra de progresso possui uma animação que treme enquanto a música estiver em reprodução.

No sistema da Apple, o player não aparece na parte superior do ecrã de bloqueio. Na verdade, o reprodutor agora é fixado na parte inferior, assim como qualquer outra notificação no iOS 16. Caso queiras, poderás tocar na capa do álbum para ver uma versão expandida — nesse momento, o sistema altera o plano de fundo com as cores da capa do álbum.

Arrastar e soltar inteligente

Por mais que a Google tenha melhorado o seu sistema de reconhecimento de imagem, a Apple levou essa tecnologia a outro patamar no iOS 16. Graças à ferramenta Visual Look Up, podes escolher um assunto ou objeto aleatório em qualquer foto e arrasta-o para outra aplicação como um item independente.

Dessa forma, é possível criar figurinhas personalizadas sem nenhum esforço, podendo partilhá-las facilmente no iMessage, WhatsApp ou Telegram, por exemplo. Os algoritmos usados pela Apple conseguem ser eficazes na hora de reconhecer o objeto e destacá-lo do plano de fundo. Isso significa que, na maioria das vezes, os resultados são satisfatórios.

Infelizmente, nenhuma tecnologia como essa pode ser encontrada no Android 13, pelo menos por enquanto.

E tu, já estás a usar o sistema mais recente da Google no teu aparelho ou preferes o novo iOS? Como tem sido a experiência? Conta-nos nos comentários!

Partilhar artigo