Samsung Galaxy S22 perde o seu valor de mercado três vezes mais rápido que o iPhone 13

Apesar de não ser uma novidade, mergulhamos nesta situação em Portugal e de como os equipamentos da Samsung perdem rapidamente o seu valor.
Escrito por Diogo Simões e
3 mins de leitura
Samsung Galaxy S22 perde o seu valor de mercado três vezes mais rápido que o iPhone 13
Publicidade
Publicidade

Estas observações de mercado não são novas, mas parece que a tendência continua a ser a mesma. Qual? A dos equipamentos Android perderem valor de mercado muito mais rapidamente que equipamentos Apple.

Estas evidências surgem por meio de dados da SellCell, que mostram como o Galaxy S22, lançado em fevereiro, já perdeu 47% do seu valor. A Samsung não é a única visada, com o Pixel 6 a ter perdido 42%. Contudo, quando olhamos para o sistema operativo concorrente, o iOS com o seu iPhone 13, lançado em setembro de 2021, constamos como este só perdeu 16% de valor de mercado.

Fonte: SellCell

Olhando mais a fundo, dispositivos como o Galaxy S22+ 128GB perdeu 58% do seu valor ao fim de dois meses, tornando-se alarmante como um consumidor, se o quiser vender ou trocar, encontrará valores igualmente mais baixos de retoma.

E em Portugal?

Apesar de estes dados serem correspondentes ao mercado externo, onde em alguns países a Samsung já baixou por tempo limitado o S22 Ultra para valores abaixo dos 1000€, existe em Portugal alguma desta tendência.

Olhando para o modelo base do S22 Ultra com 128GB de memória, este que foi lançado a 1279,90€, já viu o seu valor cair para os 1040,64€, o que representa menos 239,26€.

Já no caso do iPhone 13 Pro Max, um equipamento com preço semelhante ao modelo que usamos neste comparativo da Samsung, vemos que a desvalorização acontece, sim, mas muito menos que a que acontece com um novo S22.

A própria Samsung, no site oficial em aluguer de equipamento, dá conta de como o valor final pago pelo consumidor é de 953,68€ após os 18 meses de mensalidades. Uma consideração pela desvalorização natural e que vai ao encontro do observado no mercado.

Ainda no caso da empresa, e visto que não temos a gama Pixel em Portugal para comparar, a empresa Fnac, no meio das retomas Samsung, oferece somente 450€ por um Galaxy S20 na compra de um equipamento novo da Samsung, enquanto que se for o S21 Ultra a empresa já desembolsa 630€ para a sua variante de 128GB na compra de um novo modelo. Falamos de uma desvalorização, e no caso do S20 Ultra, que é mais de metade do seu preço original de venda ao público.

O que causa isto e há forma de inverter a tendência?

A saturação do mercado Android é, sem dúvida, o grande responsável por esta desvalorização. E, atendendo a que falamos de equipamentos topos de gama, se olharmos para gamas médias ou de entrada a situação adensa-se. Contudo, com políticas europeias que visam obrigar as marcas a ter mais atenção na durabilidade dos seus equipamentos e com o compromisso, e neste caso da Samsung, de oferecer até 5 anos de atualizações para diversas gamas, acredito que próximos equipamentos da linha S e A detenham mais do seu valor de origem.

Todavia, cabe ao consumidor saber o que escolher na hora de compra: se um compromisso a longo prazo, ou antes um equipamento que será automaticamente substituído após, digamos, dois anos. Apesar desta liberdade, é importante saber onde depositamos o nosso dinheiro e não esquecermos o real valor dele.

Partilhar artigo